13/04/08

A vida como um Rio...



Quando a corrente do rio for muito feroz e te empurrar, não deves lutar contra ela, pois é mais forte do que tu. E quando te arrastar deixa-te levar, pois não podes voltar para trás. Mas, á medida que vais sendo arrastado, vai-te desviando para a berma e aí agarra-te a algo que encontres para que te possas salvar. Tens aqui duas escolhas: deixares-te conduzir pela forte corrente e ir cair numa queda de água ou, pelo contrário, desviares-te da sua fúria e, mesmo com muita luta, encontrar um lugar de paz, mesmo estando já muito cansada. É aqui que algo de novo começa. A berma estará ali para te receber e não para te empurrar. Acudir-te-á da força do rio que não podes nem deves querer dominar.
Maria