28/06/09

Sabedoria


"Além da nobre arte de fazer coisas, existe a nobre arte de deixar coisas sem fazer। A sabedoria da vida consiste na eliminação do que não é essencial।"

(Lin युतंग)




23/06/09

Deserto



Dentro de mim havia um deserto, cuja visão não dava nem para rir nem para chorar. Uma paz perigosa aproximava-se, antevendo uma tempestade de areia que obscureceria todo e qualquer oásis. A sede apertava, a temperatura do corpo subia e os pensamentos eram lentos. Caminhava parecendo de pés em chamas, as mesmas que nunca fariam desaparecer as marcas deixadas. O vento agreste cortou-me a pele do rosto, quais marcas que nem uma longa vida desenharia. O olhar tornou-se turvo e desenhou o horizonte possível, mas a exaustão estava perto e o coração clamava por descanso. Mesmo assim, era o caminho que tinha à minha frente, onde o acaso seria um braço dado. Podiam ouvir-se os aromas do deserto como flechas sem dó nem piedade. A areia desenhava braços extensos até onde o olhar alcançava. Os vales deslizavam como seda à minha frente e as pegadas atrás de mim desapareciam magicamente. O vestido deambulava com as mãos do vento forte, desenhando a silhueta estampada no meu corpo. Os cabelos enrolavam-se bordando-se nas costas e alguns deles teimavam em tocar-me os lábios atrevidamente, tais dedos de um amante que seduz. A caminhada durou tanto que deixei de contar o tempo. O frio da noite veio e bateu-me no rosto como um lençól gelado, e enroscou-se em mim como o vento o fizera antes. Com o frio da noite e o suor do dia, um peso descomunál caiu sobre os olhos que olhavam como os gatos que vagueiam na noite.
Queria chegar, mas não sabia onde. O meu destino era tão incerto como o clima do deserto. Perdida de mim, lancei-me como uma espada para o incerto, porque o previsível já há muito se desconjuntara. Restava esperar que a noite que me gelava os ossos passasse e um novo dia se seguisse, com o Sol a acariciar-me como um abraço. E assim poderei ver de novo o dia. O primeiro passou, o segundo virá e um novo tapete se estenderá diante dos meus olhos, novos aromas virão e outros lençóis quentes e frios me alcançarão e cobrirão a errante que fará deles uma segunda pele até que tudo passe. Espero que as ondas de areia se transformem em ondas de espuma...

16/06/09

Eterno


ETERNO: é tudo aquilo que dura uma fracção de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica e nenhuma força jamais o resgata.

Fácil é ouvir a música que tocam difícil é ouvir a sua consciência, mostrando as nossas escolhas erradas.

Fácil é ditar regras, difícil é segui-las. Ter a noção exacta das nossas próprias vidas, ao invés de ter a noção da vida dos outros.

Fácil é perguntar o que se deseja saber, difícil é estar preparado para escutar a resposta, ou querer entende-la.

Fácil é chorar ou sorrir quando se tem vontade, difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir de alegria.

Fácil é dar um beijo, difícil é entregar a alma por inteiro.

Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida, difícil é entender que pouquissímas delas vão te aceitar como és e te fazer feliz por inteiro.

Fácil é ocupar um lugar na lista telefónica, difícil é ocupar o coração de alguém e saber que se é realmente amado.

Fácil é sonhar todas as noites, difícil é lutar por um sonho.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar, difícil é mentir para o nosso coração.

Fácil é ver o que queremos enxergar, difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. Admitir que nos deixámos levar mais uma vez, isso é difícil.

Fácil é perguntar “como vai?”, difícil é deizer adeus, principalmente quando somos os culpados pela partida de alguém das nossas vidas.

Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados, difícil é sentir a energia transmitida, aquela que toma conta do corpo como uma corrente eléctrica quando tocamos a pessoa certa.

Fácil é querer ser amado, difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar é entregar-se e aprender a dar valor somente a quem te ama.

Falar é fácil, quando se tem em mente as palavras que expressam a nossa opinião, difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá...

Fácil é julgar as pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias, difícil é encontrar e reflectir sobre os nossos erros, ou tentar fazer de maneira diferente algo que já se fez muito errado.

Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir, difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso e ter confiança no que se diz.

Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre a situação, difícil é vivenciar essa situação e saber o que fazer ou ter coragem para o fazer.

Fácil é demonstrar raiva ou impaciência quando algo o deixa irritado, difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende.

E é assim que perdemos pessoas especiais.

Carlos Drummond de Andrade