13/03/11

Deus no silêncio...

Toda a semente de árvore cresce vagarosa e silenciosamente...


E é neste silêncio que ela se eleva do fundo da terra..

As chuvas caem sobre si como um maná que cai dos céus,

E ela vai brotando, devagar, ao som do vento que a toca.

Vai-se deleitando com o cântico dos pássaros que voam.

Vai-se alimentando do solo onde repousa.

Eleva-se em direcção ao azul do céu, lentamente e sem pressa.

De invisível semente, transforma-se em robustez e em beleza,

Adornando-se de braços suspensos e brincos de folhas.

Vem um calendário de estações que vai passando,

E a árvore continua a elevar-se, estendendo os seus ramos orgulhosos.

O musgo vem prender-se à sua formosura e alí a veste com um traje real.

E os trevos constróem tapetes entrelaçados com flores silvestres.

E a árvore cresce, adornada nos seus cantos pelos ninhos.

E toda ela, majestosa e adornada, vai-se dirigindo ao infinito.

E um dia olha em seu redor... e vê que se encontra numa floresta imensa...

Na qual outras árvores cresceram tal como ela e são suas semalhantes.

O seu olhar vagueia no horizonte e recolhe-se com o cair das trevas.

E volta a abrir os seus braços com o nascer da alvorada.

As suas raízes cimentam o seu tronco e sustentam a sua grandeza,

E tantos anos se passaram em silêncio...

E nada mais foi preciso que o tempo...