23/06/09

Deserto



Dentro de mim havia um deserto, cuja visão não dava nem para rir nem para chorar. Uma paz perigosa aproximava-se, antevendo uma tempestade de areia que obscureceria todo e qualquer oásis. A sede apertava, a temperatura do corpo subia e os pensamentos eram lentos. Caminhava parecendo de pés em chamas, as mesmas que nunca fariam desaparecer as marcas deixadas. O vento agreste cortou-me a pele do rosto, quais marcas que nem uma longa vida desenharia. O olhar tornou-se turvo e desenhou o horizonte possível, mas a exaustão estava perto e o coração clamava por descanso. Mesmo assim, era o caminho que tinha à minha frente, onde o acaso seria um braço dado. Podiam ouvir-se os aromas do deserto como flechas sem dó nem piedade. A areia desenhava braços extensos até onde o olhar alcançava. Os vales deslizavam como seda à minha frente e as pegadas atrás de mim desapareciam magicamente. O vestido deambulava com as mãos do vento forte, desenhando a silhueta estampada no meu corpo. Os cabelos enrolavam-se bordando-se nas costas e alguns deles teimavam em tocar-me os lábios atrevidamente, tais dedos de um amante que seduz. A caminhada durou tanto que deixei de contar o tempo. O frio da noite veio e bateu-me no rosto como um lençól gelado, e enroscou-se em mim como o vento o fizera antes. Com o frio da noite e o suor do dia, um peso descomunál caiu sobre os olhos que olhavam como os gatos que vagueiam na noite.
Queria chegar, mas não sabia onde. O meu destino era tão incerto como o clima do deserto. Perdida de mim, lancei-me como uma espada para o incerto, porque o previsível já há muito se desconjuntara. Restava esperar que a noite que me gelava os ossos passasse e um novo dia se seguisse, com o Sol a acariciar-me como um abraço. E assim poderei ver de novo o dia. O primeiro passou, o segundo virá e um novo tapete se estenderá diante dos meus olhos, novos aromas virão e outros lençóis quentes e frios me alcançarão e cobrirão a errante que fará deles uma segunda pele até que tudo passe. Espero que as ondas de areia se transformem em ondas de espuma...

Sem comentários: